Transparency International denuncia

Um em cada quatro pessoas pagou uma propina, segundo material enviado pelo Transparency International para a nossa redação

“Oi Amorim,

Muitas vezes, os cidadãos comuns estão na linha de frente contra a corrupção. De frente para subornos para acesso a serviços básicos como tratamento médico ou a apresentação de uma queixa na polícia, é sempre aqueles que são menos capazes de pagar que mais sofrem.

Para entender como as pessoas ao redor do mundo experiência corrupção, acreditamos que é importante ter dados. É por isso que desde 2003 temos vindo a pedir as pessoas comuns se e como eles experimentam a corrupção em suas vidas diárias.

Na última últimos dois anos temos pesquisou 162.000 cidadãos de 119 países e esta semana divulgou os resultados. O Barômetro Global da Corrupção (GCB) , é a maior pesquisa de seu tipo e nos dá informações valiosas sobre o que as pessoas experimentam e apenas como países agora têm de ir para combater a corrupção.

Isto é como nós descobrimos, por exemplo, que quase um em cada quatro pessoas pagou uma propina quando acessada um serviço público nos 12 meses antes de quando a pergunta foi feita, e que 57 por cento pensam que o seu governo está fazendo mal na luta corrupção.

No entanto, há uma boa notícia: mais da metade das pessoas em todo o mundo – e especialmente os jovens – concordaram que o cidadão comum pode fazer a diferença.

Tivemos mais uma prova da do nosso capítulo na Itália esta semana. Andrea Franzoso descoberto e falou contra a corrupção na empresa ferroviária Ferrovie Nord Milano (FNM), onde ele foi contratado. Ele descobriu que o ex-presidente Norberto Achille estava usando fundos da empresa para uso pessoal. Transparência Internacional Itália trouxe um caso civil contra Achille que acabou por ser condenado por apropriação indevida e fraude.

Casos como este mostram que decisões e ações individuais podem fazer a diferença. Mas as pessoas não vão falar se eles temem represálias. É por isso que é importante para proteger aqueles que se levantar contra a corrupção. Esta semana, a Itália deu um passo importante nessa direção, quando o parlamento aprovou uma lei para proteger os denunciantes.

vitórias legais como este pode ajudar a encorajar outros cidadãos a falar-se quando vêem injustiça, e esta é apenas uma forma como as pessoas comuns podem acabar com a corrupção. Tudo ajuda: de partilha de um tweet simples para relatar a corrupção no trabalho – não subestime o poder de uma única ação pode ter!”

Imagem ilustrativa

 

Transparency International cita corrupção no Brasil

Transparency International cita corrupção no Brasil

clique na imagem para ampliar

Grandes casos de corrupção, da Petrobras e Odebrecht no Brasil até o ex-presidente ucraniano Viktor Yanukovych, mostram como o conluio entre empresas e políticos subtrai das economias nacionais bilhões de dólares que foram canalizados para beneficiar poucos às custas de muitos. Esse tipo de corrupção sistêmica e em larga escala viola os direitos humanos, impede o desenvolvimento sustentável e alimenta a exclusão social.

Veja Matéria:
Berlim, 25 de janeiro de 2017 – O ano de 2016 mostrou que, ao redor do mundo, a corrupção sistêmica e a desigualdade social reforçam uma à outra, levando à falta de confiança popular nas instituições políticas e gerando um solo fértil para o crescimento do populismo.

Sessenta e nove por cento dos 176 países no Índice de Percepção da Corrupção 2016alcançaram menos de 50 pontos em uma escala de 0 (percebido como altamente corrupto) a 100 (percebido como altamente íntegro), expondo como a corrupção é massiva e pervasiva do setor público em escala global. Este ano, mais países caíram do que subiram no índice, demonstrando a necessidade urgente de ação.

Sem oportunidades iguais para todos

A corrupção e a desigualdade alimentam uma à outra, criando um círculo vicioso entre corrupção, distribuição desigual de poder na sociedade e distribuição desigual de riqueza. Como os Panama Papers mostraram, ainda é muito fácil para os ricos e poderosos explorarem a opacidade do sistema financeiro global e enriquecerem às custas do bem público.

“Em muitos países, as pessoas são privadas de suas necessidades mais básicas e vão dormir com fome todas as noites por causa da corrupção, enquanto os poderosos e corruptos aproveitam estilos de vida luxuosos de forma impune”, disse José Ugaz, presidente da Transparência Internacional.

“Nós não podemos nos dar ao luxo de perder tempo. A corrupção precisa ser combatida com urgência para que a vida das pessoas melhore, em todo o mundo”, adicionou Ugaz.

Grandes casos de corrupção, da Petrobras e Odebrecht no Brasil até o ex-presidente ucraniano Viktor Yanukovych, mostram como o conluio entre empresas e políticos subtrai das economias nacionais bilhões de dólares que foram canalizados para beneficiar poucos às custas de muitos. Esse tipo de corrupção sistêmica e em larga escala viola os direitos humanos, impede o desenvolvimento sustentável e alimenta a exclusão social.

No entanto, o país demonstrou em 2016 que por meio do trabalho independente de agentes da lei é possível punir aqueles que antes eram considerados intocáveis.

Populismo é o remédio errado

As pessoas estão fartas de tantas promessas vazias de combate à corrupção, e por este motivo estão recorrendo a políticos populistas que prometem mudar o sistema e romper o ciclo da corrupção e do privilégio. No entanto, é provável que isso apenas aumente o problema.

“Em países com líderes populistas ou autocráticos, nós geralmente vemos democracias em declínio e um padrão perturbador de tentativas de repressão da sociedade civil, limitação da liberdade de imprensa e da independência do judiciário. Em vez de combater o capitalismo clientelista, esses líderes geralmente instalam sistemas corruptos ainda piores”, disse Ugaz. “Somente quando há liberdade de expressão, transparência em todos os processos políticos e instituições democráticas fortes, a sociedade civil e a mídia podem responsabilizar aqueles que estão no poder e combater a corrupção com sucesso”.

A pontuação da Hungria e da Turquia no índice, países que viram a ascensão de líderes autocráticos, caiu nos últimos anos. Em contraste, a pontuação da Argentina, que terminou com um governo populista, está começando a melhorar.

O que precisa ser feito

Ajustes técnicos em leis específicas anticorrupção não são o suficiente. O que é urgentemente necessário são reformas sistêmicas profundas, que corrijam o desequilíbrio crescente entre poder e riqueza por meio do empoderamento social para acabar com a impunidade, responsabilizar os poderosos e garantir que as pessoas tenham voz nas decisões que afetam suas vidas.

Essas reformas devem incluir a divulgação, por meio de registros públicos, de quem são os verdadeiros donos de empresas, assim como punições aos profissionais cúmplices que tornam possível a movimentação de dinheiro ilícito através das fronteiras.

Os resultados

O Índice de Percepção da Corrupção 2016 trata das percepções de corrupção no setor público em 176 países. Clique aqui para ver o Índice completo.

A Dinamarca e a Nova Zelândia têm o melhor resultado, com 90 pontos, seguidas de perto pela Finlândia (89) e Suécia (88). Embora nenhum país seja livre de corrupção, os países no topo compartilham características de governo aberto, liberdade de imprensa, liberdades civis e sistemas judiciais independentes.

Pelo décimo ano seguido, a Somália possui o pior desempenho no índice, com apenas 10 pontos este ano. O Sudão do Sul é o penúltimo colocado com 11 pontos, seguido pela Coreia do Norte (12) e a Síria (13). Países nas últimas colocações do índice são caracterizados pela ampla impunidade da corrupção, governança fraca e instituições frágeis.

Países em regiões prejudicadas por problemas, particularmente no Oriente Médio, observaram uma queda mais substancial este ano. O Catar sofreu o maior declínio comparado ao índice de 2015, com uma queda de 10 pontos. “Os escândalos da FIFA, as investigações sobre a decisão de sediar a copa do mundo em 2022 no Catar e os relatórios dos abusos de direitos humanos com trabalhadores imigrantes têm claramente afetado a percepção sobre o país”, disse Ugaz.