Construção de moradias em Martinópolis é irregular, conclui TCE

Construção de moradias em Martinópolis é irregular, conclui TCE

laranja doce

Reunido no plenário ‘José Luiz de Anhaia Mello’, durante realização de sessão ordinária da Segunda Câmara, o colegiado votou pela irregularidade do contrato, bem como, pela ilegalidade das despesas dos ajustes celebrados entre a Prefeitura de Martinópolis e a empresa Construpac Construções e Empreendimentos Ltda. para construção de 316 unidades habitacionais, ao valor de R$ 13.192.889,40.

Em seu voto a relatora dos autos, Auditora Substituta de Conselheiro Silvia Monteiro, destaca que restaram falhas insuscetíveis de escusas, que impediram o julgamento favorável da matéria – a exemplo da exigência de comprovação de aptidão profissional e apresentação de atestado de habilitação acompanhado da CAT expedido pelo CREA , que denotou caráter restritivo ao certame.

Leia a integra do voto

Da redação com TCE – Imagem ilustrativa

Contas de 2011 são reprovadas pela Câmara de Panorama

Contas de 2011 são reprovadas pela Câmara de Panorama

amorim camara de panorama 1Por 5 votos a favor e 4 contra a Câmara de Panorama reprovou as contas do exercício de 2011.

Votaram contra os vereadores Alex China (PV), Joãozinho Coyote (PPS), Soraya Mázzaro (PV), Suli Aissami (DEM) e Tião Pescador (PP).

Os favoráveis foram, Abel Fotografo (PSC), Andrezinho (PMDB),  Lincoln (PSD) e Luciana (PSDB) .

Logo após o termino da votação o comentário de vários moradores é de que os vereadores que votaram contra não fizeram nada mais que seguir orientação do prefeito em exercício, por este ser de partido da oposição (PV) e ser o mesmo um possível candidato ao cargo de prefeito em 2016. Outros acham que houve rixa pessoal e retaliação de alguns vereadores.

Coincidência ou não dois deles são do partido do prefeito interino, um do partido do prefeito e um deles já teve diversas divergências políticas com ex-prefeito.

Em contato com um dos vereadores, este disse que a grande decepção foi ver que dois dos vereadores se contradisseram e voltaram atrás no que estava previsto para a votação.

Já o prefeito Ting, em comentário anterior, disse estar com a plena consciência de haver agido sempre em benefício da população e que em nenhum momento o TCE vez referência a uso do dinheiro do público para proveiro próprio e sim a desvios para outras áreas, sendo a da saúde uma delas, devido ver a situação de penúria de muitas pacientes do sistema do SUS passavam e ainda passam. Porém, afirmou o ex-prefeito, quem deverá fazer o julgamento será a justiça e que, nela ele confia.