Jornalista português diz que Michel Temer não se tornou presidente da melhor maneira

Sob o título de “Já chega disto, Brasil” o jornalista Leonídio Paulo Ferreira do DN dizem um treco  que: “Depois dos fulgurantes anos sob liderança de Lula da Silva, em que o Brasil subiu até ao sexto lugar das potências econômicas, os tempos tinham sido de derrapagem, uma quebra para nono lugar, atrás agora da Itália.”
Em outro trecho Leonídio diz que: “Em 200 milhões de brasileiros não falta de certeza gente séria e capaz. Já chega disto, Brasil.”

Veja abaixo a matéria completa

“Já chega disto, Brasil
Por  Leonídio Paulo Ferreira

Digamos que Michel Temer não se tornou presidente da melhor maneira do quinto maior país do mundo, também o quinto mais populoso. Afinal beneficiou da atribulada e polémica destituição de Dilma Rousseff, de quem era vice, para chegar ao mais alto cargo do Brasil em 2016.

Mas mesmo assente num processo claramente político que dividiu o Brasil, a ascensão de Temer teve o mérito inicial de devolver alguma normalidade institucional e de tranquilizar bastante os meios empresariais: o crescimento de pouco mais de 1% no primeiro trimestre deste ano, embora tímido, dá alguma razão a esta leitura benigna dos factos, até porque tanto em 2016 como em 2015, em pleno segundo mandato de Rousseff como presidente da República, a economia contraiu-se quase 4%.

Ora com o Brasil agora de novo a crescer, algum otimismo estava também a regressar ao país e ao seu povo. Depois dos fulgurantes anos sob liderança de Lula da Silva, em que o Brasil subiu até ao sexto lugar das potências económicas, os tempos tinham sido de derrapagem, uma quebra para nono lugar, atrás agora da Itália. Com Temer, ou apesar de Temer, o Brasil parecia estar a começar a recompor-se, mesmo que as acusações de corrupção contra Dilma e Lula deixassem milhões em desespero ou pela queda em desgraça dos seus heróis ou por verem por trás dela o revanchismo dos velhos poderes instalados.

Renuncia ou não, Temer, depois de envolvido em mais um escândalo? Esperará o Brasil ou não por novo voto só em 2018, ou haverá diretas já se o presidente cair? São questões pertinentes. Mas a mais importante de todas parece-me ser outra: quando vai o povo brasileiro renovar uma classe política que não só desilude pelos escândalos contínuos como sobretudo prejudica a imagem e a realidade de um país tão cheio de potencial?

Em 200 milhões de brasileiros não falta de certeza gente séria e capaz. Já chega disto, Brasil.”

Postado originalmente no DN/Portugal

Aécio Neves ameaça Michel Temer publicamente

aecio”Depois de instalar no País uma crise política que arruinou a economia brasileira, ao não aceitar sua derrota eleitoral em 2014, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) agora ameaça Michel Temer e diz que, sem o apoio do PSDB, seu governo não existirá; “Enquanto Temer se mantiver fiel a essa agenda que colocamos para o país, contará com o PSDB. Se percebermos que isto não está ocorrendo, o PSDB deixa de ter compromisso com este governo”, disse ele; Aécio já se deu conta de que fez um péssimo negócio ao liderar o golpe, uma vez que se tornou rejeitado por 64% dos brasileiros; se Temer der errado (o mais provável), o fracasso será também tucano; se der certo, o candidato será Henrique Meirelles”

Golpe poderá ser institucionalizado e “legalizado” no país

Golpe poderá ser institucionalizado e “legalizado” no país

Hoje (29/08), Dilma Rousseff deverá dar seu depoimento no Senado e já se prevê que o golpe poderá ser institucionalizado e “legalizado” no país.

Dilma desce a rampaSenadores “mais sujos que pau de arara” (“Aqui não tem ninguém com condições para julgar ninguém. Qual a moral do Senado para julgar uma presidente da República?” disse a senadora Gleisi Hoffmann, se referindo os senadores), poderão fazer perguntas presidenta afastada e, com certeza, irão querer ironizar como já foi feito várias vezes pelo “Amigo da Onça (veja vídeo) e tripudiar em cima da presidenta afastada, inclusive por ela ser mulher”.

Tenho certeza que Dilma, mais uma vez, irá se esquecer que a maior defesa é o ataque e, infelizmente dar seu lugar a um verdadeiro usurpador que irá levar o país à era anterior ao governo do PT, beneficiando os mais abastados em detrimento dos mais carentes.

“Nós temos que destruir o que foi feito, nós temos que destruir os programas sociais, nós temos que destruir o bolsa família.” (Milchel Temer)