“Me dê as flores em vida”

“Me dê as flores em vida”

É incrível o poder que nós temos para esquecer os grandes nomes. Roberto Bolânos, o criador do personagem Chaves e vários outros, é um destes esquecidos que, hoje (21) faria 76 anos. Roberto Bolânos tem seus personagens sendo usados por diversas pessoas que, inclusive se autointitulam usando o nome destes, e aqui ouso aqui usar neste título uma frase da música Quando em me chamar saudade, de Nelson Cavaquinho, interpretada por Nelson Gonçalves, assim termino com outra frase da mesma música: “se alguém quiser fazer por mim, que faça agora”.

El_chavoSaiba quem foi…
Roberto Gómez Bolaños, mais conhecido como Chespirito (Cidade do México, 21 de fevereiro de 1929 — Cancún, 28 de novembro de 2014), foi um consagrado e premiado ator, cantor, comediante, compositor, desenhista, diretor de televisão, dramaturgo, engenheiro, escritor, filantropo, humorista, pintor, poeta, produtor de televisão, publicitário e roteirista mexicano. Ficou conhecido pela criação das séries televisivas El Chavo del Ocho e El Chapulín Colorado, e com o Programa Chespirito que ganhou o título de o programa número 1 da televisão humorística, as quais lhe trouxeram grande prestígio e garantiram-lhe o reconhecimento como um dos escritores comediantes mais respeitados de todos os tempos. O multitalentoso se formou em engenharia, mas o seu talento verdadeiro foi encontrado no meio artístico, fazendo que o próprio nunca exercesse a profissão.

Biografia
Filho da secretária bilíngue Elsa Bolaños Cacho (1902–1968) e do pintor, cartunista e ilustrador Francisco Gómez Linares (1892–1935), Roberto Goméz Bolaños se formou em engenharia elétrica na Universidade Nacional Autônoma do México, mas nunca exerceu a profissão. Começou sua carreira como escritor criativo, através do rádio e televisão durante a década de 1950, quando começou a escrever roteiros para programas da dupla Viruta e Capulina (Marco Antonio Campos e Gaspar Henaine). Também fez vários roteiros de cinema e começou a representar como ator em 1960, no filme Dos Criados Malcriados. No entanto, continuou a dedicar a maior parte de seu tempo a escrever, contribuindo para o diálogo de scripts e filmes de televisão mexicana.

Roberto admitiu ter fumado por 40 anos, deixando por considerar plenamente ruim. Quando ainda criança, gostava muito de jogar futebol e praticar boxe, assim como interagir com seus brinquedos. De acordo com Augusto Rattoni, ele gostava de pintura e desenhos, fazia muitas paisagens e rostros.

“Chespirito” é a forma diminutiva e castelhanizada do vocábulo inglês Shakespeare (Chekspir). Tal apelido foi dado a Bolaños pelo diretor de cinema Agustín P. Delgado, que o considerava um pequeno William Shakespeare, capaz de escrever histórias tão prolíficas e versáteis quanto o autor inglês. Roberto ganhou este apelido quando escreveu o roteiro para o filme Los Legionarios, primeiro filme em que Chespirito trabalhou.

Em 1968, começaram as transmissões Independentes de Televisão no México e Chespirito foi chamado como escritor para a realização de um programa com duração de meia hora. E assim, nasceu “Los Supergenios de la Mesa Cuadrada”. Ao lado de Chespirito, contracenavam Ramón Valdés, Rubén Aguirre e María Antonieta de las Nieves.

Em 1970, o programa teve sua duração aumentada. Nessa época, surge o Chapolin Colorado, um herói atrapalhado. Um ano depois, foi criado o personagem que se tornaria o maior sucesso de Bolaños, Chaves. Ambos os personagens funcionaram tão bem que as esquetes se tornaram séries independentes de 30 minutos de duração em 1973, após o fim do Programa Chespirito.

Apesar de ser mais conhecido pelos papéis Chaves e Chapolin, Chespirito também foi autor de vários personagens, como Chompiras, Dr. Chapatin, Vicente Chambon e Chaparrón Bonaparte.

Por causa de seus roteiros recorrentes, os programas se tornaram sucesso em todo o mundo, graças a simpatia de Roberto Gómez Bolaños e do grupo de atores em distintas épocas formado por Carlos Villagrán, Ramón Valdés, Florinda Meza, Rubén Aguirre, Édgar Vivar, Angelines Fernandez, Raúl Padilla, Horacio Gómez Bolaños e María Antonieta de las Nieves, que também encontraram a fama internacional.

Em 1980, seus sketches criaram um programa de uma hora semanal chamado de “Programa Chespirito”, e permaneceu no ar até 1995.

Chespirito também estrelou em filmes mexicanos, escritos e realizados por ele mesmo como “El Chanfle” e “El Chanfle 2”, “Don Ratón e Don Ratero”, “Charrito” e “Música de viento”.

Em 1992, recebe o “Prêmio de Literatura da Sociedade Geral de Escritores do México” pelo roteiro da peça “La Reina Madre”.

Em 2000, a rede de televisão mexicana Televisa homenageou todo o elenco dos seriados Chaves, Chapolin e Chespirito com o programa “¡No contaban con mi astucia!”, ano em que o seriado completava 30 anos.

Em 12 de novembro de 2009, Chespirito foi internado em emergência em um hospital na Cidade do México. De acordo com declarações de seu filho Roberto Gómez Fernandez, Chespirito teve uma complicação da próstata, e teve de fazer uma cirurgia.

Em 28 de maio de 2011, Chespirito abriu sua conta no Twitter chegando em menos de um dia mais de 170.000 seguidores, o segundo dia um total de 250.000 seguidores.

Estátua em homenagem a El Chavo (personagem)
Em 2012, um evento denominado América celebra a Chespirito em comemoração os quarenta anos de carreira do ator foi programado para ocorrer em 17 países, entre eles Argentina, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Equador, Estados Unidos, México, Peru e Nicarágua.

No dia 20 de novembro de 2013, foi condecorado com o Premio Ondas Iberoamericano pela trajetória destacada na televisão mundial. Roberto faleceu aos 85 anos em Cancún, no México.

Legado
Com uma carreira que durou décadas Bolaños se consagrou como um dos maiores dramaturgos e comediantes de todo os tempos, com humor caracterizado de uma forma simples e carismática fazendo parte da memória de crianças e adultos e inspirando gerações de atores, comediantes e escritores.

Roberto tem sido descrito como um dos comediantes mais reconhecidos do século 20, além de ser bem conhecido e honrado em toda a América Latina.

Casamento
Bolaños casou-se pela primeira vez com Graciela Fernández Pierre, falecida em 26 de agosto de 2013. Tiveram os filhos Paulina, Graciela, Marcela, Teresa, Cecília e Roberto. O casamento durou de 1958 a 1977.

Por causa de sua popularidade, após 35 anos de casamento eles se divorciaram. Pouco depois, tornou-se público o relacionamento que teve com uma de suas colegas de elenco programa, Florinda Meza, que interpretou no Dona Florinda na série ‘Chaves’. O romance começou no Chile em outubro de 1977, antes disso, Gomez Bolaños havia a cortejado por cinco anos. A relação foi interrogada e Florinda rebateu as alegações anos mais tarde: “Eu não sou uma rouba maridos. Ele teve problemas com seu casamento e era bem conhecido por suas infidelidades”.

Depois de 27 anos convivendo com Florinda Meza, a atriz que interpretava a maioria dos personagens femininos inclusive a Dona Florinda, Bolaños casou-se com ela, no dia 19 de novembro de 2004, e comemorou com uma grande festa num restaurante da Cidade do México.

Ele teve 6 filhos do primeiro casamento, mas nenhum com Florinda, por ter feito uma vasectomia.

Fonte: Wikiedia