Senado também tem projeto que proíbe todo tipo de aborto

Após aberração da PEC aprovada na comissão encabeçada pelo deputado Evandro Gussi, os senadores Eduardo Amorim e Magno Malta também têm projeto que proíbe todo tipo de aborto e PEC, semelhante à que foi aprovada na Câmara, deve ser analisada em breve.

Mulheres fazem manifestação em Ribeirão Preto/SP

 

Leia parte do texto da matéria
No texto, Magno Malta sugere alterar o artigo 5º da Constituição, que trata sobre os direitos da população. O trecho passaria a constar da seguinte forma: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida desde a concepção, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade”.

Leia a matéria completa clicando aqui >>>

 

Leia também:
Manobra- de evangélicos aprova criminalizacao de aborto até em estupros >>>
Mulheres ribeirãopretanas protestam contra a PEC que criminaliza o aborto >>>

Eduardo Amorim afirma que reforma trabalhista é um retrocesso

O senador Eduardo Amorim (PSDB-SE) criticou a reforma trabalhista aprovada pelo Senado. Ele relembrou uma greve geral ocorrida há 100 anos, em julho de 1917, na qual mais de 200 pessoas morreram em confrontos de trabalhadores com policiais. Na época, os funcionários das fábricas de São Paulo reivindicavam melhores condições de trabalho.

Segundo o senador, muitas conquistas foram obtidas nos últimos anos, mas a reforma que o Congresso aprovou representa um retrocesso. Para Eduardo Amorim, o trabalhador ainda hoje continua na posição mais frágil da relação empregatícia.

Amorim criticou diversos pontos da reforma, como a possibilidade de as negociações trabalhistas terem mais força do que a legislação, a figura do trabalho intermitente, e a possibilidade de mulheres grávidas trabalharem em ambientes insalubres, mediante autorização de um médico.

– Por tudo isso é que com consciência e com coerência, senhor presidente, eu disse ‘não’ à reforma trabalhista que se tenta impor ao trabalhador brasileiro. Uma reforma trabalhista que consiste num retrocesso histórico enorme e que por isso mesmo não mereceu o nosso apoio – disse o senador.

Postado originalmente no Senado Notícias

Amorim honra o nome e respeita trabalhador votando contra a reforma trabalhista

O senador neotucano Eduardo Amorim (PSBD-SE), que recentemente se integrou ao partido, oriundo do PSC, apesar de pertencer da base aliada ao governo Temer, deu voto contrário à matéria na comissão da reforma trabalhista nesta terça, 20.

Painel de votação

Apesar de pertencer À agremiação tucana o senador pode ter sido o principal voto que deu a vitória aos trabalhadores, uma vez que na comissão o resultado foi de 10 votos contra e 09 a favor da reforma.

Outro que, honrou o nome dos políticos nordestinos foi o senador Hélio José (PDMB), que, na ausência de Sérgio Petecão (PSD-AC) o substituiu e votou contra

Já o senador Hélio José, apesar de integrar o PMDB, também posicionou-se contrariamente.

Veja como votaram os senadores: 
Ângela Portela (PDT) – Não 
Humberto Costa (PT) – Não 
Paulo Paim (PT) – Não 
Paulo Rocha (PT) – Não 
Regina Sousa (PT) – Não 
Eduardo Amorim (PSDB) – Não 
Hélio José (PMDB) – Não 
Lídice da Mata (PSB) – Não 
Randolfe Rodrigues (REDE) – Não 
Otto Alencar (PSD) – Não 
Waldermir Moka (PMDB) – Sim 
Elmano Férrer (PMDB) – Sim 
Airton Sandoval (PMDB) – Sim 
Cidinho Santos (PR) – Sim 
Vicentinho Alves (PR) – Sim 
Dalirio Beber (PSDB) – Sim
Flexa Ribeiro (PSDB) – Sim 
Ricardo Ferraço (PSDB) – Sim 
Ana Amélia (PP) – Sim