Papo reto e afiado – 03/02/17

“Tudo como dantes no quartel de Abrantes” ou seja: os “ratos” e os porões são os mesmos.

Muitos outros provérbios poderiam ser adotados no caso da “renovação” dos presidentes do Senado e Câmara Federal, mas eu prefiro lembrar o qual expressa claramente que  “os cães não querem largar o osso”. Digo isto pois como vimos que, no Senado saiu o investigado Renan Calheiros/PMDB, o qual foi substituído por Eunício Oliveira/PMDB, ex-auxiliar de fábrica e hoje grande empresário e produtor rural, que já foi citado várias vezes em delações e, assim como o Renan, é aliado ao presidente Temer cujo nome aparece 43 vezes no documento do acordo de delação premiada de Cláudio Melo Filho,foi citado em delação da Odebrecht em propinas da Transpetro.
Já na Câmara, continua o também aliado ao Temer, Rodrigo Maia do DEM que também foi apontado em delação da Odebrecht, ou seja: os “ratos” e os porões são os mesmos.

Leia também:
Rodrigo Maia é mais canalha que cunha e Renan juntos >>>

PMDB, PSDB, DEM e PDT perdem filiados, enquanto PT cresce

De acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 11,3% do eleitorado nacional está filiado a alguma legenda politica, o maior índice dos últimos 14 anos; entre 2002 e 2016, o PMDB, embora ainda agregue o maior número de filiados, vem perdendo participação e teve uma queda de 20% para 14,5%; PSDB, DEM e PDT também viram o seu número de filiados encolher significativamente; apesar da pancadaria a que vem sendo submetido nos últimos anos, o PT foi a única dentre as grandes legendas que conseguiu ampliar este índice, de 7,4% para 9,6%

urna eletrônica. Foto: Nelson Jr./ ASICS/TSE

O Brasil alcançou o maior número de eleitores filiados a algum partido político dos últimos 14 anos. De acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 11,3% do eleitorado nacional está filiado a alguma legenda politica.

Entre 2002 e 2016, o PMDB, apesar de agregar o maior número de filiados, vem perdendo participação e teve uma queda de 20% para 14,5%. Apesar da pancadaria a que vem sendo submetido nos últimos anos, o PT conseguiu ampliar de 7,4% para 9,6% o número de eleitores filiados.

Já o PSDB viu minguar a filiação de eleitores de 9,43% para 8,73% entre 2002 e 2016. O DEM foi o partido que mais encolheu, siando de 9,43% em 2002 para 6,63% neste exercício, enquanto o PDT passou de 8,75% para 7,56%.

Já o PSDB viu minguar a filiação de eleitores de 9,43% para 8,73% entre 2002 e 2016. O DEM foi o partido que mais encolheu, siando de 9,43% em 2002 para 6,63% neste exercício, enquanto o PDT passou de 8,75% para 7,56%.

Desconsiderando PT, PMDB, DEM, PDT e PSDB, os demais partidos soados ampliaram sua participação no conjunto total de filiados de 45% em 2002 para 53% neste ano.

Postado originalmente no Brasil 247