Quando quem era esperança também não serve: Aécio Neves é citado – novamente! – em delação premiada

Quando quem era esperança também não serve: Aécio Neves é citado – novamente! – em delação premiada

O senador Delcídio do Amaral (PT-MS) afirmou em acordo de delação premiada que o atual senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi beneficiário de um “grande esquema de corrupção” na estatal Furnas.

Esse esquema, segundo Delcídio, era operacionalizado por Dimas Toledo, ex-diretor de engenharia de Furnas, e que teria “vínculo muito forte” com Aécio.

aécio“Questionado ao depoente quem teria recebido valores de Furnas, o depoente diz se que não sabe precisar, mas sabe que Dimas operacionalizava pagamentos e um dos beneficiários dos valores ilícitos sem dúvida foi Aécio Neves, assim como também o PP, através de José Janene; que também o próprio PT recebeu valores”, diz o texto da delação premiada.

O acordo entre Delcídio e a Procuradoria-Geral da República (PGR) foi homologado nesta terça-feira (15) pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki.

Continue lendo aqui >>>

Será o Delcídio o mocinho ou o vilão?

Será o Delcídio o mocinho ou o vilão?

anjo ou capetaSe Aloísio Mercadante; a Dilma; o Lula; o Aécio Neves; o falecido Itamar Franco; o Fernando Henrique, o Eduardo Cunha; o Michel Temer; o Edson Lobão; a Gleisi Hoffmann; o Vital do Rego, o Eduardo Paes e outros negam envolvimento em esquemas, claro que o vilão é o Delcídio Amaral, afinal todos os citados na delação são mocinhos.

Veja a íntegra da delação premiada de Delcídio
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki, relator do processo da Operação Lava Jato, homologou o acordo de delação premiada do senador Delcídio do Amaral (MS) firmado com a Procuradoria-Geral da República (PGR) para colaborar com as investigações da operação. O senador pediu hoje desfiliação do PT.

Segundo a assessoria de comunicação do STF, o ministro determinou ainda a retirada do sigilo do processo.

Leia aqui a íntegra da delação premiada de Delcídio do Amaral.

Ministro Teori Zavascki, do STF, homologa delação premiada do senador Delcídio do Amaral