Blogueiros “deitam e rolam” com nossa grana

Blogueiros “deitam e rolam” com nossa grana
Blogueiro

Exclusivo: Dilma repassou R$ 11 milhões a blogueiros em 2016

O Antagonista teve acesso exclusivo à planilha com repasses do governo federal aos blogs petistas em 2016.
Os números incluem a verba publicitária da Secretaria de Comunicação, dada por meio de campanhas de programas oficiais, e o patrocínio de bancos públicos e estatais, como a Petrobras.

Os contratos firmados às vésperas do impeachment somam R$ 11,2 milhões – de um total de R$ 94,7 milhões gastos com publicidade na internet. Ao assumir o governo, Michel Temer determinou a suspensão dos pagamentos aos blogs e sites petistas e o cancelamento dos contratos.

– Brasil 247: 2,1 milhões
– DCM: 1,11 milhão
– Carta Maior (site): R$ 921 mil
– Forum: R$ 921 mil
– Paulo Henrique Amorim: R$ 865 mil
– Opera Mundi (Breno Altman): R$ 83 mil
– Luís Nassif: R$ 814 mil (além do contrato com a EBC)
– Carta Capital (site): R$ 664 mil
– Sidney Rezende: 409,5 mil
– CGM: R$ 359 mil
– Pragmatismo Político: 219 mil
– Blog do Esmael: 169 mil
– Viomundo (LC Azenha): R$ 166 mil
– O Cafezinho: R$ 124 mil

Publicado originalmente em O Antagonista

Leia também:
Temer bloqueia verba publicitária de sites simpáticos ao Governo Dilma >>>
Até Diogo Mainardi se revolta contra a “Veja” >>>
Veja minha página no JusBrasil clicando aqui >>>
Entrevista na imagem abaixo:

thereza pitta
Clique para ampliar

“O senhor vai e a pílula fica”: uma carta aberta a Eduardo Cunha

“O senhor vai e a pílula fica”: uma carta aberta a Eduardo Cunha

eduardo cunha
Que a pílula fique e ele vá

Por Nathali Macedo no DCM

“Senhor Deputado,

Ainda o chamo de deputado graças à ineficiência seletiva da justiça brasileira, que não tratou até aqui de colocá-lo no único lugar digno de sua tão nobre presença: a cadeia.

Como tem passado? Tem dormido bem à noite depois de assistir aos noticiários? Espero que esteja desfrutando do sono dos justos. E espero, também, que pause um pouco o seu milionário jogo de tênis na companhia de sua bela esposa para ler esse recado singelo.

Nós sabemos que a sua absurda tentativa de criminalização da pílula do dia seguinte é mais uma ardilosa manobra política para desviar o foco dos recentes escândalos nos quais o senhor está envolvido e que foram noticiados na mídia recentemente. Esta patética tentativa mancha ainda mais o seu filme, que já não é dos melhores. Se o objetivo era desviar o foco, seria mais útil ter vazado um nude na internet.

Não apenas o seu projeto, mas o senhor, em pessoa, representa a completa involução da sociedade brasileira.

Temos vergonha da sua atuação, das suas contas na Suíça e deste projeto que, além de proibir a venda da pílula do dia seguinte, criminaliza a ajuda a mulheres que pretendem abortar fetos frutos de estupro e exige a realização de exame de corpo de delito para comprovar abusos sexuais.

Envergonhamo-nos porque, enquanto a discussão pela criminalização do abordo permanece travada, projetos como este são votados e aprovados na Câmara. Numa patética tentativa de defesa a tão absurda proposta, o senhor declarou: “O projeto quer tratar é da liberdade de consciência. A consciência é inviolável. Não posso obrigar uma pessoa a ser coagida em relação a suas crenças.”

Curiosamente, e deputado não demonstrou tamanha preocupação com a liberdade de consciência quando suas contas milionárias na Suíça foram descobertas. A consciência da justiça brasileira também não parece doer quando se mantém um político tão sujo na Câmara dos Deputados. O senhor só fala em liberdade de consciência para podar – ainda mais, como se fosse possível – a liberdade das mulheres sobre seus corpos.

Deputado, sua consciência, caso fosse minimamente escrupulosa, deveria avisar-lhe que nenhuma mulher precisa ser exposta a um exame de corpo de delito para que aborte um feto fruto de violência sexual. Que ninguém precisa gerar um filho indesejado se, por um infortúnio, outros métodos contraceptivos não funcionarem. Que todas as mulheres têm total liberdade sobre seus corpos e suas escolhas. Sua consciência deveria, aliás, lhe mostrar que o Brasil não precisa de gente como o senhor.

A pílula do dia seguinte é um pedaço ínfimo daquilo que nós realmente desejamos e temos por direito: a incondicional e inviolável liberdade sobre o nosso corpo. Então, é bom que o senhor saiba que a luta pela descriminalização do aborto – e pelo “abortamento” de políticos como o senhor – continua e nem a PL 5069 nem deputados corruptos e hipócritas passarão – não sem que lutemos com todas as armas que podemos alcançar, inclusive indo às ruas.

A postura contra propostas como estas continua combativa, mas não se anime: isso não vai nos fazer desviar o foco dos seus escândalos.

Que o senhor vá e a pílula fique.

Em tempo: o senhor tem contas na Suíça?”

Seria Malafaia um gay não assumido?

Seria Malafaia um gay não assumido?

pastor gayPor Amorim Sangue Novo

O site Diário do Centro do Mundo fez a publicação abaixo sobre estudo que diz que o pastor Malafaia tem a possibilidade de ser gay.

Sei não… Dúvidas corroem meus pensamentos (e não é sobre os estudos)

Malafaia é gay? Um estudo sobre homofobia diz que essa é uma possibilidade.

malafaiaPor Kiko Nogueira

A nova incursão de Silas Malafaia no terreno da picaretagem evangélica é um vídeo detonando um comercial do Boticário em que aparecem casais gays.

“Sou contra e estou aqui pra dizer que a família é milenar, homem, mulher e sua prole. Tenho o direito de preservar macho e fêmea porque essa é a história da civilização humana”, avisa.

Sugere um boicote por fazer parte de uma “maioria”, acusa a propaganda de ser uma tentativa de “querer ensinar a crianças e jovens o homossexualismo”. Etc etc.

O que incomoda tanto o homem? O que lhe dói tanto?

O comportamento obsessivo e histérico do maior pé frio na história recente da política brasileira pode ser explicado pela ciência. Um estudo sobre homofobia, publicado em 2012 no respeitado Journal of Personality and Social Psychology — publicação especializada mensal que circula desde 1965 — ajuda a entender o ódio e o medo que ele e seus compadres sentem.

Durante meses, 784 universitários dos EUA e da Alemanha foram convidados, primeiro, a avaliar sua orientação sexual de 1 (altamente gay) a 10 (muito hétero).

Na sequencia, se submeteram a um teste. Imagens e palavras associadas à sexualidade lhes foram mostradas. Eles foram então instados a classificá-las de acordo com a categoria apropriada (gay ou hétero) o mais rapidamente possível.

Houve um elemento crítico adicional, como explicou o professor Richard Ryan, idealizador da coisa: “Antes de cada palavra e imagem, a palavra ‘eu’ ou ‘outro’ aparecia na tela do computador por 35 milésimos de segundo — tempo suficiente para os estudantes processarem subliminarmente o dado, mas curto o suficiente para que eles não pudessem vê-lo conscientemente”, escreveu num artigo no New York Times. 

“A teoria, conhecida como associação semântica, é que quando ‘eu’ precede palavras ou imagens que refletem sua orientação sexual (por exemplo, imagens heterossexuais para um heterossexual), você as classifica na categoria correta mais velozmente do que quando ‘eu’ vem antes de palavras ou imagens que são incongruentes com a orientação sexual (por exemplo, imagens homossexuais para um heterossexual). Essa técnica distingue de forma confiável indivíduos que se identificam como heterossexuais dos que se definem como gays, lésbicas ou bissexuais.”

Entre o grupo que se disse “altamente hétero”, surgiu uma subseção de cerca de 20% deles que indicaram uma atração pelo mesmo sexo. Esse mesmo pessoal era “significativamente mais propenso ​​a favorecer as políticas anti-gays e a atribuir punições mais severas para autores de pequenos crimes se o autor fosse presumivelmente homossexual”.

Para o doutor Ryan, “nem todos aqueles que fazem campanha contra gays e lésbicas sentem desejo por pessoas do mesmo sexo. Mas ao menos parte deles estão lutando contra si mesmos, tendo sido eles mesmo vítimas de opressão e incompreensão”.

O caso de Malafaia embute ainda a possibilidade de o pastor ser apenas um completo idiota oportunista. Mas isso é óbvio, não necessita de prova científica — e não explica, sozinho, esse grau de indigência mental.

Foto principal Google