Comer chocolate pode dar cadeia

danilo chocolatePor Amorim Sangue Novo

Que me perdoem meus leitores por usar alguns termos jocosos neste comentário, apesar que meus comentários são sobre política e políticos, o que já considero uma piada.

Evito usar matérias policiais, mas não posso deixar de comentar um fato como este.

Vejam que um delegado da polícia federal resolveu autuar uma auxiliar de limpeza por esta haver comido um chocolate de sua propriedade.

Quantas vezes alguém já não cobiçou e quis comer alguma coisa (olha a sutileza) de um colega de trabalho?

Se esta auxiliar fosse uma proprietária de boutique, alguém (mais sutileza) não poderia ficar de olho na boutique dela?

Será que “seu delega”, ao usar a máquina pública visando seus problemas pessoais, não seria mais útil usando seu trabalho para a entidade em que trabalha?

E se fosse o Danilo Gentile com roupas de Geise Arruda o que faria o delegado?

De qualquer maneira não posso deixar de aplaudir a OAB por considerar abuso de poder pois: “Para o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil em Roraima (OAB-RR), Jorge Fraxe, a ação do corregedor foi ‘desproporcional’ e pode ser classificada como abuso de poder. Para ele, o delegado errou em usar a estrutura da Polícia Federal para ‘resolver um problema pessoal’.”

Vejam matéria abaixo: 

Zeladora é autuada por furto em RR ao comer chocolate de delegado da PF

delegado da pfUma zeladora de 32 anos foi autuada em flagrante após ser filmada por câmeras comendo um chocolate do delegado da Polícia Federal Agostinho Cascardo, que teria entendido se tratar de furto… Leia Mais »

Foto principal rafamusictv

Leia também:
‘Não foi crime’, diz chefe de zeladora autuada em RR por furto de chocolate >>>

Sessão insônia – Politicamente Incorreto

Danilo Gentile – Politicamente Incorreto

O discurso politicamente incorreto é, em oposição ao chamado politicamente correto, uma forma de expressão que procura externalizar os preconceitos sociais sem receios de nenhuma ordem, funcionando como um eufemismo para discurso de ódio em contextos satíricos e editoriais. Em geral, confunde-se com opiniões de extrema-direita, mas pode ser também expressão de simples preconceitos cotidianos. No Brasil, é normalmente associado a um tipo de humor que envolve anti-semitismo, homofobia, estupro, racismo, machismo e outras formas de degradação da dignidade humana. Em muitos países, o discurso politicamente incorreto constitui crime de ódio.