Como ser corno sem fazer força

Sim, meus amigos, ser corno não é pra qualquer um!

Corno 2Por Amorim Sangue Novo

A primeira coisa que o cara precisa pra ser corno é ter uma mulher que o corneie. Isto não é muito difícil, pois várias mulheres estão determinadas a isto.

Segundamente há de se notar que não é pelo fato da mulher, segundo sua interpretação, ser feia, renquenguela, caídassa ou banquela, que o corno está livre de ser corno, por que mulher é sempre mulher.

Em terceiro lugar há de se saber que pra ser corno não precisa de muito esforço, basta se considerar macho, por que mulher não gosta de macho, mulher gosta de homem e para ser homem você (olha o gerúndio), precisa estar…

Aprendendo umas coisinhas

Por Inge Dienstmann

 João andava cismado com a mulher. Toda sexta, quando, por força do trabalho, ele se ausentava da cidade e só voltava no final do sábado, a esposa acordava mais cedo que de costume, ia para o banho toda faceira, e começava a se maquiar com capricho, antes mesmo que ele saísse.

Quando João perguntava a respeito, ela dizia que aproveitava o dia para se reunir com as amigas, já que não precisava fazer almoço nem jantar para o marido.Depois de um tempo, João quis saber com quais amigas Eunice se encontrava e o que faziam o dia todo, pois seguidamente nem o celular ela atendia. A pergunta só serviu para deixá-lo mais intrigado ainda, pois a resposta foi evasiva:- Ah, vai quem pode, e a gente se encontra aqui e ali pra jogar conversa fora, trocar experiências, aprender umas coisinhas…

“Aprender umas coisinhas”, encasquetou-se João, mas nada disse, nem perguntou mais, apostando que pegaria a traíra de surpresa.

Para completar as suspeitas de João, Eunice começou a se mostrar mais inclinada ao sexo, tomando ela mesma a iniciativa, e nunca mais se queixara de dor de cabeça. Ela até passou a usar umas coisas diferentes – camisolas com rendas e transparências, calcinhas diminutas. Enquanto ela resplandecia, João cada vez mais tirava seu time de campo, com a cabeça cheia de suspeitas e sem coragem de ser franco e direto sobre seus temores.

Quando ela apareceu maquiada todos os dias e usando perfume quando ele chegava em casa, foi a gota d’água. João combinou com um colega que o substituísse na jornada de trabalho de sexta para sábado, alegando que precisaria visitar sua mãe no interior do estado, pois ela não andava passando bem. A última coisa que ele desejava era que os colegas suspeitassem da sua possível condição de marido traído.

Na sexta seguinte, ele fez tudo como de costume. Fingiu sair cedo para o trabalho, deu um até amanhã, e observou que Eunice já se arrumava, toda serelepe.Quando a mulher saiu de casa, no meio da manhã, e foi até uma sexshop no centro da cidade, ele não teve mais dúvidas: ela tinha um amante!

João ficou espreitando a porta da tal loja, esperando a mulher sair. Passou uma hora, passaram-se duas… E nada! Mais meia hora se passou até que um grupo de mulheres saísse de lá, todas sorridentes, trocando comentários. Ele não se aproximou para confrontá-la, até porque, entre o grupo, havia várias esposas de colegas de trabalho.

Decidiu que seguiria Eunice, porque a sacanagem certamente ocorreria depois da tal passagem pela sexshop. Só estranhou quando a mulher foi direto para casa, e aí lhe ocorreu o pior: “Esta piranha está me botando os cornos dentro da minha própria casa!”

Depois de esperar exaustivamente que o tal gostosão aparecesse no meio da tarde, irritado e enlouquecido de fome, no final do dia João não segurou mais sua exasperação, entrou em casa transtornado e pegou a esposa em flagrante.Ela estava na banheira, envolta numa espuma espessa, com máscara de creme verde no rosto e uma touca horrorosa enfiada na cabeça…

– Pra quem você está se besuntando toda, sua vadia – ele berrou descontrolado.Morta de susto, Eunice quase se afogou na banheira antes de responder, indignada:- Seu cretino. Há meses eu venho me esforçando pra ter de volta um homem dentro de casa, e tudo que eu ganho é isso?

– Ah, então tu confessas na minha cara que andas atrás de homem, sua ordinária!- Você é muito cretino mesmo! E dizer que por sua causa até aula de pompoarismo eu freqüentei!

Era o fim de tudo para João. Ele saiu de casa sem questionar mais nada. Ia encher a cara no bar mais próximo, e tomaria coragem para desabafar com o melhor amigo. Contaria que sua mulher, agora ex, além de traidora, metera-se até com bruxaria para se livrar dele e ficar com o amante. Pompo… pombo o que mesmo? Depois que o pavor passasse, ele olharia na internet.

Coitado do João! O pobre tinha arrepios na espinha quando se lembrava da cena: a mulher na banheira, toda esquisita e cercada de velas acesas.

O Texto de Aprendendo umas coisinhas é de Inge Dienstmann  foi publicado no Jornal Panorama – Imagem: Google