Governo de São Paulo e Paraná assinam protocolo para o Projeto Angra Doce

Na última sexta (03) em encontro no Tayaya Aguaparque Hotel Ressort, no Bairro Laranjal em Ribeirão Claro (PR), no qual constou a presença o representante da Casa Civil de São Paulo, Francisco Torturelo, do o ex-deputado estadual e Coordenador do PSDB Mauro Bragato, do deputado federal Capitão Augusto, do governador do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin, do governador do Estado do Paraná Beto Richa, demais Prefeitos e autoridades da Região do grande Lago de Itararé ( Denominado Angra Doce), para o lançamento do Projeto Angra Doce, que já é considerado o novo polo turístico entre os dois estados.

Os governadores assinaram um protocolo de intenções que formaliza o interesse de ambos os estados, para investir no potencial turístico dos municípios banhados pela represa Chavantes, formada pelos rios Paranapanema e Itararé.

O Projeto Angra Doce, na realidade, é de autoria do Deputado Federal Capitão José Augusto Rosa ( Região de Ourinhos- SP) em parceria com o Programa Cidades do Pacto Global das Nações Unidas, que, entre outros fatores, visa a concretização do potencial turístico e o desenvolvimento da economia.

Envolve os municípios que integram o projeto destes dois Estados, formada pelos municípios de Chavantes, Ourinhos, Canitar, Bernardino de Campos, Ipaussú, Timburi, Pirajú, Ribeirão Claro, Jacarezinho, Fartura, Carlópolis, Salto de Itararé, Barão de Antonina, Itaporanga e Siqueira Campos.

A Represa de Chavantes traz belezas naturais encantadoras e proporcionam condições para que os adeptos ao esporte se interajam com a natureza, como por exemplo, a pratica de canoagem, voo ao ar livre, cavalgadas, pesca, rafting (jangada), trekking ( caminhada), etc.

Segundo Bragato, o turismo bem elaborado e com total apoio não apenas dos governos, mas também da sociedade civil organizada, eleva a região a um patamar melhor em vários setores, principalmente entre os quais emprego e renda.

Bragato também é autor de vários Projetos de Lei, tramitando na Assembleia Legislativa, transformando os municípios em Municípios de Interesse Turístico.

Beto Richa arrumou pra cabeça e pode se “lascar”

Beto Richa arrumou pra cabeça e pode se “lascar”

richaPor Amorim Sangue Novo
Ao atacar o professorado em greve no Paraná, o governador Beto Richa / PSDB, despertou não só a ira de toda a imprensa, como também de vários setores da sociedade e do Legislativo, principalmente da oposição, por isto, com mais um voto a favor, poderá haver a CPI da Receita que se apure a denúncia de que R$ 2 milhões oriundos de propina na Receita Estadual financiaram a campanha a sua reeleição, o que poderá acarretar em impeachment, uma vez que. entre os que assinaram o requerimento está o deputado Requião Filho (PMDB), que pretende ir além e pedir a cassação do governador; já o líder do PT no Senado, Humberto Costa discursou nesta segunda (18) na tribuna, quando citou que a vista grossa do PSDB a Richa “beira o cinismo”; “O PSDB tem se especializado nessas críticas seletivas”, disse.

Oposição articula CPI para investigar propina de Richa
O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), deverá ter o desgaste elevado nos próximos dias, se a oposição na Assembleia Legislativa conseguir as assinaturas que restam para a criação da CPI da Receita. Os parlamentares querem investigar a denúncia, feita por meio de delação premiada pelo auditor fiscal Luiz Antonio de Souza, de que R$ 2 milhões oriundos de propina na Receita Estadual financiaram a campanha à reeleição do tucano no ano passado.

Da tribuna, o deputado estadual Professor Lemos (PT) anunciou nesta segunda-feira 18 que a CPI da Receita voltou à pauta e que “já tem nove assinaturas. Ainda faltam nove”. “O ideal é, com essas declarações dadas por uma pessoa diretamente envolvida, que a gente busque ter mais assinaturas”, acrescentou o líder da oposição, Tadeu Veneri (PT). Entre os que assinaram o requerimento está o deputado Requião Filho (PMDB), que pretende ir além e pedir a cassação do governador.

No fim de semana, o governador negou as acusações em um vídeo, argumentando que “pegaram um criminoso, réu confesso, preso por abuso de menores, para me acusar sem nenhuma prova. Coisa de bandido” (assista aqui). Requião Filho rebateu neste domingo, pelo Twitter: “Bandidos? Até onde sei bandido é quem faz campanha com $$$ da corrupção. O ladrão sempre acha que os outros são da mesma profissão”.

Richa já estava sob pressão pelas dívidas deixadas no Estado do Paraná. No final de abril, virou alvo nacional de críticas, de governistas e oposicionistas, após uma ação truculenta da PM contra professores, que deixaram mais de 200 manifestantes feridos. O motivo: queria aprovar à força um projeto na Assembleia que modificava a fonte de pagamento do Paranaprevidência, o fundo dos servidores estaduais. E conseguiu.

Neste fim de semana, o jornal Gazeta do Povo noticiou que ele sacou R$ 500 milhões da previdência, toda a verba a que tinha direito após a aprovação da lei, de uma só vez, ao contrário do que tinha prometido o governo. O Ministério Público de Contas (MPC) havia proposto uma medida cautelar para suspender a lei, que foi considerada irregular pelo Ministério da Previdência. Mas hoje o Tribunal de Contas do Estado arquivou o pedido do MPC e manteve a lei de Richa.

Líder do PT no Senado critica vista grossa do PSDB a Richa

Em discurso na tribuna do plenário na tarde desta segunda, o líder do PT Humberto Costa (PE) afirmou que “beira o cinismo” a vista grossa do PSDB a Beto Richa. Segundo ele, a denúncia de propina contra o governador tucano é varrida para debaixo do tapete. “No PSDB, pau que dá em Chico não dá em Francisco. Assim como silenciou para todos esses casos, o PSDB também faz vista grossa ao governador do Paraná, responsável pelo espancamento de professores da rede pública”, declarou.

“A capacidade de autocrítica do PSDB está no nível do volume morto do Cantareira. Não se ouve uma única palavra do partido ou de seus líderes sobre o tema. Ninguém no PSDB fala, por exemplo, de impeachment de Beto Richa, da mesma forma entusiasmada como alguns tucanos chegaram a tratar quando o alvo era a presidenta Dilma”, ressaltou o líder petista.

Humberto também destacou que as delações premiadas válidas para os tucanos são apenas as que atingem seus adversários, enquanto os autores de denúncia contra o PSDB são chamados de “bandidos”. “O PSDB tem se especializado nessas críticas seletivas que beiram o cinismo, ao tentar apagar os rastros dos malfeitos e dos desmandos havidos nos seus oito anos de governo”, disse o parlamentar. – Brasil/247