Como a ansiedade está fazendo você broxar

Como a ansiedade está fazendo você broxar

broxar-2Por Patrícia Vaz

Dizem que os homens pensam com a cabeça de baixo e que a vontade do pênis é soberana a qualquer manifestação da consciência.

Eu discordo.

Isso porque, na hora H, muitos homens cheios de tesão broxam.

Falar de sexo seria mais fácil se somente existisse o pênis como personagem principal dessa trama erótica. Porém, entre a cabeça de baixo e sua correspondente lá ao alto é preciso grande sintonia, uma vez que o pênis não é um músculo como outros, pronto para reagir à estimulação mecânica.

Apesar de parecer “papo de mulher”, a ereção também está relacionada à inspiração, tranquilidade, relaxamento, criatividade, desejo e paixão. Muitos homens apresentam desesperadoras disfunções sexuais porque têm medo do julgamento e exigem de si mesmos performances mirabolantes.

Sim, muitas vezes o truque para uma boa ereção não está na dureza das preocupações, mas sim na moleza do relaxamento. Difícil?

Existem causas mais fáceis de serem identificadas para uma famosa broxada: mau hálito da parceira, gostos por ausência onde há presença de pelos pubianos, imagens irritantes do seu chefe que insistem em aparecer onde deveria ter uma bela mulher, estresse e cansaço.

Para isso, meu caro, minha receita seria um bom e velho vinho a dois, velas ao invés de luzes, uma bela lingerie para sua mulher e muita criatividade.

Não se intimide por um dia ter broxado!

Agora, se o problema é mais em baixo (literalmente) e persistir, não tenha medo de procurar por ajuda. Muitos homens simplesmente deixam de gozar da vida porque se debatem com a imagem de superpênis em que falhas não podem ser admitidas.

A correria do dia-a-dia, a pressão do trabalho, a responsabilidade com a família, o medo de falhar, a satisfação de sua mulher… Muitos são os motivos que podem acarretar uma broxada, mas há que ficar atento!

A disfunção sexual é comum a 48% da população masculina brasileira e pode originar ou ser originada por estados emocionais como ansiedade e depressão, bem como aspectos da personalidade. Neste caso a procura por um especialista – psicólogo e psiquiatra – é o mais correto.

Dito e feito isso, hombres, relaxe e goze!

Sobre a autora:
Patrícia Vaz é psicanalista, escrever sobre as angústias de ser humano, e concorda com Freud que “um charuto às vezes é só um charuto”