Eu também ficaria nu

mulher nuaTenho visto diversos casos do tipo mencionado na publicação abaixo. Infelizmente as instituições financeiras exigem muito dos clientes, além das taxas de juros muito altas (mais de 200% ao ano) e tarifas exorbitantes e os gestores públicos não tomam previdências.

Na cidade de Panorama, por exemplo, existe um projeto de lei aprovado em 2010 que exige que várias instituições, incluindo-se aí os Correios, para que os clientes sejam atendidos em, no máximo, quinze minutos, mas os próprios vereadores que aprovaram o projeto (dois deles, Abel e Suli, ainda estão no cargo, mas não devem “cobrar” ação do executivo, os quais devem fazer vistas curtas, por negligência, incompetência, displicência ou até falta de conhecimento do projeto, com isto os prejudicados são sempre os usuários.

Portanto, se porventura acontecer ou acontecesse comigo casos como o exposto abaixo… Eu também ficaria nu

Mulher se revolta ao ser barrada em banco e fica completamente nua

Uma cliente de uma agência bancária em Guarujá, no litoral de São Paulo, se revoltou ao ser barrada na entrada do local e resolveu protestar, ficando completamente nua diante dos demais clientes e dos seguranças. O protesto aconteceu na manhã desta terça-feira (10), após ela não conseguir passar pelo detector de metais sem que o aparelho apitasse.

Vários clientes que estavam dentro do local, ou que esperavam para entrar, registraram o protesto, que aconteceu em uma agência bancária do Banco do Brasil no centro de Guarujá. Segundo testemunhas, os seguranças do local alegaram que ela escondia algum objeto de metal e, após uma grande discussão, ela tomou a decisão de tirar as roupas e os acessórios que portava.

Após uma nova discussão, desta vez com a cliente nua, os seguranças concordaram em deixá-la entrar no banco. Por volta das 15h, ainda não havia ocorrências relacionadas ao caso registradas nas delegacias da cidade. O G1 entrou em contato com o Banco do Brasil, mas até a publicação desta reportagem não houve um retorno.

Postado por no JusBrasil

Leia também:

Mulher que ficou nua em banco diz que segurança foi rude: ‘Desrespeito’ >>>

/

Deputado chama professores de burros e “filhos da puta”

 fernando franceschiniO nome dele é: Felipe Francischini

Vejam que em seu perfil, abaixo o qual poderá ser visto também AQUI, ele diz m sua área de atuação política, “combate á corrupção, educação, fiscalização”, demonstrando um erro crasso de pontuação.

Infelizmente é comum representantes eleitos pelo povo para defenderem os interesses da sociedade, além de visarem seus benefícios financeiros e sociais próprios, desqualificam seus eleitores de forma vil, chula e mesquinha, como se estes fizessem parte de seu nível baixo, não só intelectualmente como moralmente.

Para alicerçar suas mentes sujas e vazias, muitas pessoas, despidas de conhecimentos políticos, por desinteresse ou por falta de cultura, esta mesma cultura que a cada dia se deteriora mais no país, voltam a eleger calhordas deste naipe.

Pior é que o partido dele é o SD – Solidariedade, imagem se ele não fosse solidário e é também evangélico.

Deputado…quanto a ser burros creio que o senhor não se deu conta que  só um cara muito burro se jogaria contra seus eleitores e admiradores de outro partido, já ser filho da puta (xa ketu xará)

Nome: LUIS FELIPE BONATTO FRANCISCHINI

Nome de urna: FELIPE FRANCISCHINI

Partido: SD – Solidariedade

Data de nascimento: 02/10/1991

Local de nascimento: Curitiba (PR)

Cidade onde mora: Curitiba

Área de Atuação Política: combate à corrupção, educação, fiscalização

Grau de Instrução: ensino superior completo em Direito e Economia (em andamento)

Ocupação/profissão: advogado

Religião: evangélica

Time de Futebol: Flamengo

Já ocupou cargo público? Qual?
Não

Tem algum parente na política?
Sim. Fernando Francischini (pai) *

Qual é o livro preferido?
Formação Econômica do Brasil, Celso Furtado

Um político que admira: Fernando Francischini

Uma pessoa que admira: Ondina Mattos (bisavó), Zenaide Nogueirol (bisavó)

Leia também:

* Francischini escondeu um dos suspeitos da Lava Jato >>>

/

Nem bem assumiu Cunha já se considera “o dono da situação”

faça-o-que-eu-mando-amorim-sangue-novoO problema da grande maioria dos políticos brasileiros é que eles não pensam em governar para que os anseios e necessidades do povo sejam respeitados, passando assim a querer impor as suas ideologias e princípios, os quais nem sempre vão de encontro aos princípios e ideologias da grande maioria da população, contrariando assim a confiança que lhes foi depositada, isto quando também não aliado a interesses de benefícios próprios.
(Amorim Sangue Novo)

“Aborto só vai a votação se passar pelo meu cadáver”, diz Cunha

Presidente da Câmara afirma que legalização do aborto e direitos dos homossexuais “não são a agenda do País”, rejeita regulação da mídia e critica a articulação política do governo

Eleito presidente da Câmara em primeiro turno, depois de uma tensa disputa com o petista Arlindo Chinaglia (PT-SP), o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) teve uma reunião com a presidente Dilma Rousseff na tarde de quinta-feira, 5, para “quebrar o gelo”, segundo definiu a correligionários. Considerado um parlamentar incômodo e pouco confiável, por causa dos episódios em que liderou rebeliões na base aliada, Cunha diz que não tem problemas no trato com Dilma, mas não alivia o PT e os ministros responsáveis pela articulação política, em especial Pepe Vargas, da Secretaria de Relações Institucionais. “Ele é inábil no trato, errado na forma e no conteúdo”, critica. Também reclama do presidente do PT, Rui Falcão: “Só o atendo quando ele me pedir desculpas por ter dito que faço chantagem”.

O deputado chegou ao Rio na noite de quinta-feira e foi homenageado em um jantar na casa do prefeito Eduardo Paes, com a presença dos principais líderes do PMDB fluminense, como o governador Luiz Fernando Pezão, o ex-governador Sérgio Cabral e o presidente da Assembleia Legislativa, Jorge Picciani. No início da tarde de sexta, 6, recebeu o blog Estadão Rio em seu escritório, no centro. Passou o fim de semana com a família, na Barra da Tijuca (zona oeste), onde mora.

Na primeira semana como presidente, Cunha avançou na discussão de uma proposta de reforma política que garante o financiamento de campanhas por empresas privadas, condenado pela maioria dos petistas. Também instalou a CPI da Petrobrás, que voltará a investigar o esquema de corrupção na estatal.

O deputado está decidido sobre o que quer votar e também sobre os temas que não aceita levar ao plenário, como a legalização do aborto, a união civil de pessoas do mesmo sexo e a regulação da mídia. “Aborto e regulação da mídia só serão votados passando por cima do meu cadáver”, diz, irredutível, o deputado evangélico de 56 anos, fiel da Igreja Sara Nossa Terra. Diante da reação negativa de militantes de movimentos em defesa dos direitos dos homossexuais à sua eleição, Cunha não faz concessões. “Não tenho que ser bonzinho. Eles querem que esta seja a agenda do País, mas não é”.

No fim do ano passado, o deputado teve o nome citado pelo doleiro Alberto Youssef, preso na Operação Lava Jato, que investiga o esquema de pagamento de propina e desvio de dinheiro na Petrobrás. Youssef depois enviou esclarecimento à Justiça dizendo não ter relação com Cunha. O presidente da Câmara reitera não ter ligação com a rede de corrupção da estatal e diz estar tranquilo para qualquer investigação.

 

 cunha
Eduardo Cunha: “Pepe Vargas erra na forma e no conteúdo” Foto: Dida Sampaio/EstadãoO senhor conversou com a presidente Dilma, depois de grande tensão na disputa pela presidência da Câmara. O clima melhorou?

Foi uma conversa normal, natural, institucional. Falamos de assuntos gerais, do País. Não tratamos de pontos específicos. Não sinto na presidente nenhum gesto de antipatia, pelo contrário, ela sempre foi muito cordata comigo . O PT se comportou muito mal durante a eleição para a presidência da Câmara e continuou se comportando mal a semana inteira. Mas o maior problema é a falta de articulação política. Os caras acham que entendem desse assunto e os gestos deles são equivocados. São fracos.

Onde eles erraram?

Por exemplo, no caso das CPIs. Se, em vez de ficarem correndo atrás de pressionar gente para votar no Chinaglia, tivessem colhido assinaturas, poderiam instalar outras CPIs antes da CPI da Petrobrás. Se tivessem o mínimo de articulação política, tinham feito isso. O governo está perdido politicamente. Se eles não mudarem a articulação, vão ter que mudar o método. Precisa rearranjar essa situação.

Sua queixa maior é com o ministro Pepe Vargas, de Relações Institucionais, mas é com ele que o Congresso dialoga. Com pretende fazer?

O Pepe, além de tudo, é inábil no trato. É errado na forma e no conteúdo. O quanto eu puder evitar, eu evito. Mas vamos ver, algum interlocutor com o governo haverá.

O PT se ressentiu de o senhor ter criado a comissão especial que analisará a proposta de reforma política que assegura o financiamento privado de campanha eleitorais, rejeitado pela maioria dos petistas.

Eu quis mostrar que eles são o empecilho para a reforma política. Eles ficaram uma arara.

Acredita que a presidente Dilma terá uma relação mais próxima com o Congresso?

Vamos ver, ainda está no começo. Se ela tivesse exercitado o diálogo logo depois da reeleição, talvez tivesse evitado muito problema.

O PT ainda é a maior bancada da Câmara. Como vai ser essa convivência?

Nós fizemos um bloco maior, com 218 deputados. Tomamos as comissões todas, a Comissão de Constituição e Justiça ficou com a gente, a de Finanças também. O PT fez um bloco com 160 deputados. A relação depende do PT. Eles não se conformam de ter perdido (a eleição para presidência da Câmara) e estão em um processo de isolamento que só aumenta. Eu tiro de letra.O Rui Falcão me ligou umas dez vezes esta semana e eu não atendi. Só atendo depois que ele me pedir desculpas pela grosseria que me fez há um ano, disse que eu fazia chantagem.

Com essa articulação política do governo, que o senhor critica, vai ser mais difícil enfrentar fragilidades como a crise da Petrobrás?

A troca na diretoria da Petrobrás é um sinal positivo.

O PMDB vai pleitear algum cargo na Petrobrás?

Zero. Vamos passar longe de lá. Não estamos nessa de pedir cargo. Eu não vou falar de cargo com ninguém, quem cuida disso é o Michel (Temer, vice-presidente da República). De qualquer maneira, Petrobrás não entra, esquece.

Além da reforma política, o que está no seu foco da pauta da Câmara?

O pacto federativo. O governador Pezão tem falado comigo. Temos o projeto da reforma tributária, dá para fazer um grande substitutivo. Vou tentar botar para andar.

Os movimentos de defesa dos homossexuais, de defesa dos direitos humanos e das mulheres temem que o senhor não dê andamento a projeto de interesse dessas categorias. Como o senhor vai agir?

Que projetos?

Há vários projetos de garantias de direitos dos homossexuais, de legalização do aborto.

Isso é mais discurso. Para pautar um projeto, ele tem que ter apoio suficiente. Não tenho que ser bonzinho. Eles querem que isso seja a agenda do País, mas não é. Não tem um projeto deles na pauta para ir a votação. Tenho que me preocupar com o que a sociedade está pedindo e não é isso.

O senhor tem uma posição pessoal contra o casamento gay, a legalização aborto. Isso vai interferir na condução dessas matérias?

Aborto eu não vou pautar (para votação) nem que a vaca tussa. Vai ter que passar por cima do meu cadáver para votar. Aborto e regulação de mídia, só passando por cima do meu cadáver. O último projeto de aborto eu derrubei na Comissão de Constituição e Justiça. Regulação econômica de mídia já existe. Você não pode ter mais de cinco geradoras de televisão. No aborto, sou radical.

Mas o aborto não é um tema para o Congresso discutir?

Por quê? Quem está pedindo para ser discutido?

O Congresso representa a sociedade e parte dela quer discutir a legalização do aborto.

Qual é a parte do Congresso que está pedindo? Isso é uma minoria.

Depois de anos de investimento crescente, o Rio vive uma crise na arrecadação, muito dependente do petróleo. Qual é a saída?

O Rio tem dois problemas: a economia do País está em retração e essa crise da Petrobrás e a queda do preço do barril de petróleo afetaram muito o Estado. Talvez o grande erro tenha sido o modelo de partilha (da exploração do petróleo).

Mas a maior parte dos Estados, por não ser produtora, é a favor da partilha.

O modelo não funciona. Como a exploração do petróleo é no Rio de Janeiro, se mudar o modelo, vai estimular investimentos que a Petrobrás não tem condição de fazer. Não é questão de comprar briga, mas de discutir o assunto. A obrigação de a Petrobrás participar de todos os investimentos não é boa. A Petrobrás não tem condição financeira de dar conta dos investimentos que começou a fazer, que dirá de investimentos futuros. Vai atrasar o País.

Como serão tratados os deputados envolvidos no esquema de corrupção da Petrobrás?

Vou cumprir o regimento. Se tiver representação partidária, vai ser aberto processo. Vamos esperar, não se sabe ainda se vai ser aberto inquérito, se vai haver denúncia (da Procuradoria Geral da República).

Acredita que possa ser aberto inquérito contra o senhor no Supremo Tribunal Federal ?

Não sei. Está tudo esclarecido, estou tranquilo em relação a isso.

Da redação com, Estadão

Leia também:
Eduardo Cunha fala na igreja sobre o aborto >>>
A estranha obssessão de Eduardo cunha com os gays >>>

Postado no Sem medo da verdade – http://amorimsanguenovo.blogspot.com.br/2015/02/nem-bem-assumiu-cunha-ja-se-considera-o.html

/