O PSDB e as possíveis manifestações do dia 15/03

O PSDB enviou nota à imprensa na tarde desta quarta (11), na qual se mostra solidário com as possíveis manifestações programas para o dia 15 de março deste ano.

Leia na íntegra:

Nota oficial do PSDB sobre as manifestações populares convocadas para o dia 15 de março

O Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) se solidariza com as manifestações de indignação dos brasileiros diante da flagrante degradação moral e do desastre econômico-social promovidos pelo governo Dilma Rousseff.

O PSDB defende a livre manifestação de opinião e o direito à expressão dos cidadãos e, portanto, apoia os atos pacíficos e democráticos convocados para o próximo dia 15 de março em todo o país.

Mais do que uma garantia constitucional, a liberdade de pensamento e de crítica é fundamento essencial para o fortalecimento da vida democrática e o enraizamento social dos valores republicanos.

O PSDB repudia a atitude daqueles que, em nome de seus interesses partidários, cerceiam e deturpam o direito à livre manifestação, e tentam convencer a população de que a crítica aos governantes se confunde com atentados contra a ordem institucional e o Estado de Direito.

Na verdade, ao contrário de que alguns tentam fazer crer, os protestos que ocorrem nas redes sociais e nas ruas não defendem um terceiro turno, mas a rigorosa apuração de responsabilidades sobre a corrupção endêmica incrustrada no corpo do estado nacional, e cobra o abandono dos compromissos assumidos publicamente com a população. São manifestações legítimas de um país que vive em plena democracia e se posiciona perante múltiplas e graves crises.

Acreditamos que a participação popular melhora as instituições e eleva os padrões de governança pública. Por isso, o PSDB, através de seus militantes, simpatizantes e várias de suas lideranças participará, ao lado de brasileiros de todas as regiões do país, desse movimento apartidário que surge do mais legítimo sentimento de indignação da sociedade brasileira.

O PSDB reitera seu compromisso com todos os que desejam um país mais forte, íntegro, justo, solidário e democrático.

Senador Aécio Neves
Presidente Nacional do PSDB

Senador Cássio Cunha Lima
Líder do PSDB no Senado Federal

Deputado Carlos Sampaio
Líder do PSDB na Câmara dos Deputados

Cuidado com o que você lê e vê na mídia

Cuidado com o que você lê e vê na mídia

midia-manipuladora

Por Amorim Sangue Novo – Imagem: Google

Em 1997 o Presidente era o Fernando Henrique Cardoso / PSDB

Em 2004 o Presidente era o Lula / PT

A primeira manchete é da Agencia Brasil (Órgão oficial que distribui notícias à imprensa), a segunda do UOL, a terceira é da Revista Época, ligada a Rede Globo a quarta é do Veja.Abril

Já em seu depoimento (Veja vídeo no UOL) Pedro Barusco diz textualmente “de uma forma mais institucionalizada”, o que quer dizer que já estava sendo institucionalizada anteriormente, porém de forma menor.

Veja exemplos:

1-Barusco diz que começou a receber propina em 1997

Resumo da notícia
“Comecei a receber propina em 1997, 1998. Foi uma iniciativa minha, pessoal. De forma mais ampla, com outras pessoas da Petrobras, a partir de 2003, 2004”, disse Barusco após ser questionado pelo relator da CPI, Luiz Sérgio (PT-SP). Barusco, porém, ressaltou que não daria detalhes do esquema. “Com relação a esse período eu não vou tecer maiores detalhes, existe uma investigação em curso que me dá o direito de não comentar esses detalhes”, disse.

2- Comecei a receber propina em 1997 por iniciativa pessoal, diz delator – UOL (leia)

3- Propina na Petrobras foi “institucionalizada” em 2004, diz Pedro Barusco – Época/Globo (leia)

4-Á CPI delator diz que corrupção foi institucionalizada no governo Lula (Reinaldo Azevedo no Veja.Abril (leia)

As pequenas mídias e blogs, normalmente editados por não jornalistas, em sua grande maioria segue a linha das grande mídias ou de acordo com suas preferências entre políticos e/ou partidos, ficando assim o leitor à deriva e optando por ler e ouvir as mídias conservadoras pertencentes a grandes capitalistas aos quais não interessa um governo ligado ao povo.

/