Pedro Bial, o “ateismo” de FHC e o Refis em Dracena

“Eu respeito a religião do povo, as várias religiões do povo, automaticamente estou abrindo uma chance para a crença em Deus.” (Fernando Henrique Cardoso)

Matérias relativas:
Senador, o senhor acredita em Deus? >>>
Refis Municipal 2018 é aprovado em sessão da Câmara de Dracena >>>

Vídeos relativos:

Aécio, tucano não é carcará

“Aécio Neves não pode confundir o símbolo do PSDB, o tucano, com o carcará, ave de rapina pronta para se alimentar de dejetos. O muro, que também simboliza popularmente o partido, não suportará o peso moral do senador”

O senador Aécio Neves, do PSDB mineiro, desde a juventude esteve envolvido na política partidária. Filho ilustre do notável e ficha-limpa deputado Aécio Cunha.

Aécio Cunha foi filho do político mineiro Tristão Ferreira da Cunha e de Júlia da Matta Machado Versiani Ferreira da Cunha, prima-irmã do 1º Visconde com Grandeza de Barbacena e 1º Marquês de Barbacena, e do 1º Visconde de Gericinó, deixando ao filho senador uma linhagem familiar respeitável. Exerceu mandato como deputado estadual entre 1955 e 1963, e deputado federal entre 1963 e 1987. Bacharelou-se em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade Nacional de Direito da Universidade do Brasil em 1950.

O avô paterno de Aécio Neves, Tristão Ferreira da Cunha foi titular da Secretaria de Agricultura e Trabalho do Governo Juscelino Kubitscheck e iniciou o filho na carreira política.

Aécio Cunha casou-se, em primeiras núpcias, com Inês Maria Neves da Cunha, filha do presidente Tancredo Neves.

O jovem e promissor senador Aécio Neves, sabe-se lá por qual razão, adotou o sobrenome do avô mais famoso e exemplar homem público, seguindo-o até o túmulo, em momento dramático da vida nacional. A sua imagem fixou-se no cenário político como fiel, dedicado e correto parlamentar e governador.

Aécio Cunha faleceu, orgulhoso do filho, no dia 3 de outubro de 2010, exatamente quando Aécio Neves se elegeu senador da República.

Os exemplos da ascendência familiar levaram o jovem senador à disputa da Presidência da República contra Dilma Rousseff e, se não fossem mentiras divulgadas no auge da campanha, teria sido eleito presidente.

Nesses dias tumultuados do nosso indescritível Brasil, eis que surge, em gravações insuspeitas realizadas por supostos amigos marginais, a fala clara e inegável do senador Aécio Neves.

O episódio empanou as virtudes do PSDB e prejudicou seriamente o partido, causando desconfiança no eleitorado e nos possíveis candidatos no pleito de outubro. O senador, apesar das evidências, se coloca como vítima de tramóias, mas não consegue se desvencilhar das acusações, tendo, inclusive, se tornado réu no Supremo Tribunal Federal, protegido pelo nefasto foro privilegiado que permanece incólume na legislação brasileira e que, antes que o sol se ponha, será banido por pressão popular ou por decisão da Corte Suprema.

Resta-nos, como eleitores, se não formos atendidos pelos poderes a quem delegamos a responsabilidade de nos proteger da corrupção e da violência, o dever de banir da vida pública, os corruptos e os ineptos, através da arma mais importante do cidadão: o voto!

Aécio Neves não pode confundir o símbolo do PSDB, o tucano, com o carcará, ave de rapina pronta para se alimentar de dejetos. Seu pai, Aécio Cunha, deixou-lhe forte exemplo ao ser  nomeado ministro do Tribunal de Contas da União pelo presidente José Sarney. Na ocasião, declinou do convite, por razões pessoais, surpreendendo a todos que o respeitavam, o que foi motivo de muitos elogios pela dignidade moral do gesto.

O muro, que também simboliza popularmente o partido, não suportará o peso moral do senador. Hasta la vista!

Por Paulo Castelo Branco no Congresso em Foco – Imagem: Google