Senadores “quebram a cara” e voltam para o Brasil com o “rabinho entre as pernas”

Senadores “quebram a cara” e voltam para o Brasil com o “rabinho entre as pernas”

Por Amorim Sangue Novo

Se os parlamentares brasileiros pensassem em trabalhar aqui no Brasil em pró dos brasileiros, de forma a beneficiar a população e não seus próprios bolsos não haveria nada disto. Além disto, os caciques do PSDB deveriam fiscalizar mais as ações do “menino mimado”, pirracento e mau perdedor que é o Aécio Neves para que o PSDB possa se reerguer como partido e não como oposição que visa retomar a presidência, inclusive de forma rudimentar e uso de má informação, calúnias e infâmias aos governantes atuais.

Quem sabe, depois de desmoralizar a imagem de todos nós, brasileiros, o “menino mimado” e seus seguidores não se metem onde não devem e não iriam ter as portas fechas em suas caras.

Entrevista coletiva do presidente do PSDB, senador Aécio Neves

“Caracas – 17-06-15

Sobre a visita a Caracas.

Estamos fazendo a nossa parte. O conjunto das manifestações, não apenas da região, mas de lideranças democráticas de outras partes do mundo, acredito que poderão, sim, sensibilizar as autoridades venezuelanas e levar aquilo que todos queremos. Em um clima de paz e de democracia permitir que a população venezuelana escolha seu destino. Estamos aqui cumprindo o nosso papel já que houve, no meu entendimento, uma omissão grande do governo brasileiro nessa questão.

Viemos manifestar uma posição humanitária, inclusive pedindo o encerramento da greve de fome por parte de Leopoldo Lopez. Buscar, fazer coro, ao lado de outras lideranças democráticas do mundo, pela liberação dos presos políticos, e também cobrar a definição da data das eleições parlamentares, que devem acontecer, inclusive, sob a fiscalização de organismos internacionais. Nós fomos impedidos sequer de chegar ao nosso destino. O veículo no qual eu estava foi cercado por manifestantes, obviamente a serviço do governo, organizados, colocando em risco a vida dos senadores. É uma demonstração clara de que o governo brasileiro não só se omite; o governo brasileiro, de alguma forma, é cúmplice daquilo que vem acontecendo na Venezuela, e colocou em risco a vida dos senadores brasileiros.

O governo quis impedir um encontro de oposições?

Eu acredito que, se foi essa a intenção, fez da pior forma possível. Hoje inúmeros países já se manifestam em solidariedade a essa nossa visita. Nós viemos em missão de paz, não viemos destituir governos. Nós viemos exigir democracia. E quando se fala em democracia, e quando se fala em liberdade, em direitos humanos, não há que se respeitar fronteiras. O Brasil viveu as trevas da ditadura e foram importantes manifestações de países democratas e de lideranças democratas que ajudou que aquele ciclo se encerrasse. E o que é mais alarmante é que o Brasil é hoje governado por uma ex-presa política, que não demonstra a menor solidariedade e a menor sensibilidade com o que vem acontecendo hoje com irmãos seus de luta no passado. São pessoas que hoje lutam apenas pela democracia na Venezuela estão tendo seus direitos mínimos de liberdade cerceados por um governo autoritário.

Que previdências o sr. acha que devem ser tomadas depois dessa visita?

O presidente do Senado, Renan Calheiros, que foi muito importante na viabilização dessa viagem, que é uma viagem oficial, e eu conversei com ele agora há pouco, ele se manifestaria pessoalmente junto à Presidência da República, e é preciso que haja uma manifestação do governo brasileiro. Inclusive, na minha avaliação, pedindo o retorno do embaixador brasileiro na Venezuela para saber o que efetivamente aconteceu. Infelizmente uma delegação oficial do Brasil foi impedida de caminhar por Caracas, de cumprir sua missão.”

Clique AQUI para acessar o áudio, de uso livre das emissoras)

PSDB exige manifestação de repúdio do Itamaraty sobre agressão a senadores brasileiros na Venezuela

O líder do PSDB na Câmara, deputado federal Carlos Sampaio (SP), classificou como gravíssimas as agressões sofridas nesta quinta-feira em Caracas pelos senadores brasileiros em visita de solidariedade aos líderes políticos mantidos presos pelo governo Nicolás Maduro e exige manifestação de repúdio imediata e contundente por parte do Itamaraty.

De acordo com Sampaio, o veículo dos senadores foi cercado por apoiadores do regime Maduro. Os parlamentares brasileiros também foram impedidos de visitar Leopoldo Lopez, preso há mais de um ano e em greve de fome há 24 dias. O embaixador brasileiro, Rui Pereira, abandonou o grupo ainda no aeroporto.

“A agressão aos parlamentares brasileiros é uma agressão ao Brasil e aos princípios que ensejaram a visita dos senadores a Caracas – de solidariedade, de defesa da democracia e do Estado de Direito. Tão grave quanto essas agressões seria a omissão do governo brasileiro nessa questão, sob pena de ser cúmplice desse gravíssimo ato de desrespeito aos representantes brasileiros e conivente com os atentados que lá se cometem contra a liberdade de expressão e os direitos humanos. O mínimo que se espera é uma manifestação de repúdio por parte do Itamaraty”, afirmou Sampaio.

Leia também:
Nicolás Maduro diz para Dilma mandar seus senadores tomar conta do quintal deles >>>

Sobre Amorim Sangue Novo

Amorim Sangue Novo, é jornalista–Mtb/SP 59858, contador-CRC/SP 842.156 e especialista em hardware (Desenvolvedor Microsoft). Foi colunista no jornal interno da Lion/Caterpillar, criou e foi redator chefe do jornal interno da Adubos Vianna e é Ex-Diretor de Trânsito na cidade de Panorama. Diretor na Amorim Informática e Jornalismo. atua como editor dos sites Jornal Digital Panô City -www.panocity.com.br- e Sem medo da verdade -www.semmedodaverdade.com.br- e mantém páginas em diversos outros sites e blogs.

Esta entrada foi publicada em Amorim Sangue Novo, Notícias, Opinião, Política e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.