Roger, eu e a cagada que fizemos

Roger, eu e a cagada que fizemos

Ultraje-fotosPor Amorim Sangue Novo

”Lutei contra a ditadura, sim! Tomei borrachadas, engoli gaz lacrimogênio, corri da cavalaria na Av. São João em direção à Praça Antonio Prado e à Praça da Sé.
Participei das perigosas assembléias dos sindicatos, onde milicos escondidos na massa guardavam na memória o rosto dos mais exaltados.
Arrisquei o emprego, pichei muro com o slogan “Abaixo a Ditadura”.
Distribui panfletos.
Morri de medo.
Chorei quando anunciaram a devolução do poder ao povo: eu e mais alguns milhões.
Hoje, vendo pessoas morrendo em filas de hospitais, bandidos matando por R$ 10, pessoas andando feito zumbi nas ruas por causa das drogas, adolescentes que não sabem quanto é 6 x 8, meninas de 14 anos parindo filhos sem pais, toda a classe política desse país desfilando uma incompetência absurda, o nosso país sendo ridicularizado por tantos escândalos…
Eu peço perdão ao Brasil pela porcaria que fiz…
Deveria ter ficado em casa.”

Postado no Diário de São Paulo por Roger Moreira, vocalista do Ultraje à Rigor em Carta e enviado ao Sem medo da verdade por Verônica Maria

Leia também:
A maioria dos médicos que trabalha como servidor está abusando nos serviços prestados >>>
A partir de janeiro estacionar em vaga para deficientes será infração grave >>>
Cantor do Ultraje a Rigor desabafa sobre onda de descaso social >>>
Ultraje a Rigor: Roger Moreira desmente autoria de texto >>>
Roger Moreira esclarece: “O texto publicado não é de minha autoria”; embora concorde com ele >>>