Eduardo Amorim afirma que reforma trabalhista é um retrocesso

O senador Eduardo Amorim (PSDB-SE) criticou a reforma trabalhista aprovada pelo Senado. Ele relembrou uma greve geral ocorrida há 100 anos, em julho de 1917, na qual mais de 200 pessoas morreram em confrontos de trabalhadores com policiais. Na época, os funcionários das fábricas de São Paulo reivindicavam melhores condições de trabalho.

Segundo o senador, muitas conquistas foram obtidas nos últimos anos, mas a reforma que o Congresso aprovou representa um retrocesso. Para Eduardo Amorim, o trabalhador ainda hoje continua na posição mais frágil da relação empregatícia.

Amorim criticou diversos pontos da reforma, como a possibilidade de as negociações trabalhistas terem mais força do que a legislação, a figura do trabalho intermitente, e a possibilidade de mulheres grávidas trabalharem em ambientes insalubres, mediante autorização de um médico.

– Por tudo isso é que com consciência e com coerência, senhor presidente, eu disse ‘não’ à reforma trabalhista que se tenta impor ao trabalhador brasileiro. Uma reforma trabalhista que consiste num retrocesso histórico enorme e que por isso mesmo não mereceu o nosso apoio – disse o senador.

Postado originalmente no Senado Notícias

Sobre Amorim Sangue Novo

Amorim Sangue Novo, é jornalista--Mtb/SP 59858, contador-CRC/SP 842.156 e especialista em hardware (Desenvolvedor Microsoft). Foi colunista no jornal interno da Lion/Caterpillar, criou e foi redator chefe do jornal interno da Adubos Vianna e é Ex-Diretor de Trânsito na cidade de Panorama. Diretor na Amorim Informática e Jornalismo. atua como editor dos sites Jornal Digital Panô City -www.panocity.com.br- e Sem medo da verdade -www.semmedodaverdade.com.br- e mantém páginas em diversos outros sites e blogs.
Esta entrada foi publicada em Amorim Sangue Novo, Opinião, Política e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.