A crueldade dos ricos revolta o jornalista Amorim

A crueldade dos ricos revolta o jornalista Amorim

7 fatos que você provavelmente não sabe sobre Paulo Henrique Amorim
pha“Eu nasci jornalista e vou morrer jornalista” diz Amorim
Conhecido com um dos mais importantes e respeitados jornalistas do país, com passagem pelos mais renomados veículos da imprensa brasileira, Paulo Henrique Amorim se diz um homem simples. Por trás do habitual terno e gravata que costuma usar na apresentação do Domingo Espetacular, existe um homem apaixonado por futebol, amante do Rio de Janeiro, cidade onde nasceu, e tantas outras curiosidades. Vamos a elas?
1 – Sobre o famoso bordão “Boa noite, boa sorte”.
— Boa noite, boa sorte é um plágio. Eu plagiei um apresentador da televisão americana da CBS chamado Edward Murrow, que  dizia as tais palavras.
2 – Quem trabalha na Record já presenciou o jornalista chegando e saindo da emissora sempre de táxi.
— Eu não sei dirigir. Não quero aprender. Detesto automóvel. Eu só sei distinguir um Volkswagen de um caminhão. O resto eu não sei. Se me mostrarem uma BMW e uma Mercedes eu não sei o qual é um, qual é outro (risos).

3 – No dominical da Record, onde ele apresenta o quadro Bichos Curiosos, Paulo Henrique confessou não ter medo de nenhum animal.
— Tenho medo da falta de dinheiro. Eu faço aquele quadro como se tivesse conversando com os meus netos. Eu tenho uma neta linda, a Bebel, de quatro anos, e um neto maravilhoso, lindo, o Francisco, de sete, e eu leio o texto como se estivesse falando com eles.

4 – Com mais de 50 anos de profissão, trabalhos notáveis realizados em jornais, revistas e TVs, Paulo Henrique não se acha “o cara”.
— Eu sou uma pessoa, como diria Jorge Ben Jor, de mentalidade mediana.

5 – Futebol e Carnaval.
— Sou torcedor do Fluminense, do Santos e do Salgueiro

6 – Paixão pelo o que faz.
— Eu nasci jornalista e vou morrer jornalista. Vou morrer diante das teclas do computador.
7 – O que o revolta como cidadão.
— Injustiça, desigualdade, a crueldade dos ricos.
Do Entretenimento R7, com título e edição de Amorim Sangue Novo