Análise: Acordo que coloca Alckmin na presidência do PSDB não resolve imagem do partido

Maior problema do PSDB é recuperar credibilidade para ir às urnas renovado em 2018

Embora recebido como vitória no ninho tucano, o acordo costurado para a sucessão interna no PSDB está distante de resolver o maior problema da legenda, ou seja, como recuperar a credibilidade perdida e ir às urnas renovado? O estancamento da sangria com a escolha de Geraldo Alckmin para comandar o partido pouco efeito prático tem para fora do partido.

É fato que a decisão pode contribuir para a arrumação da casa tucana e criar um terreno estável para o debate que realmente interessa aos eleitores. Mas daí a concluir que o PSDB deu a volta por cima é diferente.

Algumas questões continuam no ar. O desgaste que o senador Aécio Neves, flagrado pedindo R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, submeteu ao partido foi superado? É preciso destacar que Aécio nunca foi repreendido pela legenda e somente está deixando a presidência após um acordão tucano. A parceria dos tucanos com o governo do presidente Michel Temer, outro fator de grande desgaste para a sigla, vai continuar e sob que argumento? A julgar pelas declarações das últimas semanas, não se deve esperar nenhum rompimento drástico com o PMDB.

Por tudo isso, ainda é dúvida se ficará de pé o discurso ético que parte do PSDB deseja construir para a próxima campanha presidencial como vacina aos desgastes recentes. Principal nome do partido à Presidência da República, Geraldo Alckmin dá sinais de já ter jogado a toalha na tarefa de resgatar a credibilidade no partido.

“Ninguém vai votar em partidos. Vão votar nas pessoas”, afirma o tucano quando perguntado sobre como seria a competitividade de uma candidatura do partido diante da crise que o assola.

Da redação com O Globo

Nota de Repúdio do PV

PV mulher repudia PEC 181 que teve o deputado Evandro Gussi como presidente da CCJ

“A Comissão Especial da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (8), a Proposta de Emenda à Constituição – PEC 181/2015, que proíbe toda forma de aborto no Brasil, inclusive em casos que já são legais: estupro, risco de morte para a mãe e fetos anencéfalos.

A PEC, que originalmente previa extensão da licença maternidade para mulheres que tivessem bebês prematuros, agora, após interferência da bancada religiosa e com os votos de dezoito homens e apenas uma mulher, promove um retrocesso sem precedentes.

No Brasil, ocorreram 135 estupros por dia, um total de 49.497 casos só em 2016, segundo a pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Em 2014, o mesmo Fórum contabilizou um estupro a cada 11 minutos, contudo, por ser um crime subnotificado estima-se que apenas 10% são denunciados. Seriam 500 mil vítimas, em média, por ano. Do total de estupros cometidos no País, 70% são contra crianças e adolescentes, de acordo com o IPEA.

Por tudo isso, a Secretaria Nacional de Mulheres do Partido Verde repudia a aprovação desta PEC e, principalmente, o voto favorável do deputado federal, Evandro Gussi PV/SP. Não é possível permitir tal barbaridade contra crianças, adolescentes e mulheres que são vítimas de uma sociedade machista que as violentam diariamente até em direitos garantidos por lei.

Shirley Torres de Araújo – Secretária Nacional de Mulheres”

Da redação com PV – Subtítulo: Amorim Sangue Novo

Finalmente conheceremos Aécio Neves

O Aécio que pouca gente conhece.

“(…)No histórico de Aécio há uma surra na ex-esposa e atendimentos em CTI, por overdose de cocaína.Em uma das vezes ele escapou por pouco, mas a mulher que estava com ele, em um motel, foi a óbito.Tudo isso foi sempre escondido do público, graças a uma violenta milícia sustentada por Aécio, onde se incluíam muitos policiais mineiros, intimidando jornalistas e testemunhas.

Um policial, no entanto, Lucas Arcanjo, com destemor anunciava aos quatro ventos todos os crimes de Aécio, inclusive homicídios, a mando dele, chegando a protocolar denúncias no Ministério Público mineiro e federal, em Brasília, sem conseqüências, graças à blindagem de Aécio.

Lucas Arcanjo apareceu enforcado, em sua própria casa.

Quando governador, com dinheiro público construiu dois aeroportos em fazendas da sua família, fora da rota dos vôos comerciais, mas na rota do narcotráfico, além de um terceiro, no município de Montezuma, também numa fazenda da família dele, uma fazenda de milhares de hectares de eucaliptos, longe de qualquer aglomerado urbano e que no entanto tem intenso tráfego de pequenos aviões.Na escuta feita pela Polícia Federal, Aécio falou que o emissário que pegaria, e pegou, a mala de dinheiro teria que ser alguém que “a gente mate” antes dele nos delatar.Coincidentemente foi encontrada uma ossada humana enterrada em uma de suas fazendas, sem que até hoje a polícia comprada por Aécio identificasse quem foi o assassinado.

A mídia omitiu, mas o helicóptero apreendido com quase meia tonelada de pasta de cocaína é de propriedade do Senador Perrela mas presta serviço à Agropecuária Neves, sendo que o filho do Perrela é sócio de Aécio em negócios obscuros, não tão obscuros, como ficou demonstrado na carga do helicóptero.

O acidente da Samarco, em Mariana, está impune porque tem o dedo de Aécio e da Cemig. O Ministério Público mineiro sabe de tudo isso, mas existe para perseguir e punir os que denunciam isso. O Ministério Público Federal sabe de tudo isso, por denúncias chegadas de Minas. Contam-se em dezenas os casos de sentenças vendidas pelos juízes mineiros, sempre em favor da família Neves. Preso o tio de Aécio, por produção e venda de cocaína, um juiz que havia sido nomeado por Aécio foi quem deu o Habeas Corpus e o colocou na rua. A negociata do HC aconteceu num alambique (fábrica de cachaça) de propriedade da família Neves.

O Secretário de Segurança, no governo de Aécio, era o advogado de Fernandinho Beira Mar, e isto não é segredo para ninguém, em Minas e na cúpula brasiliense.E de onde vem todo esse poder e todo esse dinheiro, capaz de comprar autoridades nos três poderes e em todos os níveis de poder, capaz de comprar a mídia nacional?

 

(..)Com o casamento da Dona Neves, 98% do Nióbio existente no mundo caiu no colo da família Neves, rendendo bilhões/ano. Aécio já foi flagrado chapado de cocaína no plenário do Congresso, diversas vezes; o próprio Serra, seu correligionário, se manifestou temeroso quanto à candidatura de Aécio à presidência, por causa do “vício”; há um laudo, oficial, assinado por um médico do CTI, que o atendeu, com overdose de cocaína, onde afirma: “o paciente não tem condições de administrar nem a própria vida, que dirá um estado.”

Postado originalmente no Chica Marrenta – Imagem ilustrativa