Hoje é dia da Educação

00000001008431456272526112648 (1)Por Amorim Sangue Novo

Neste dia 27 de abril é comemorado o dia nacional da educação

O site Sem medo da verdade e seu editor Amorim Sangue Novo, deseja a estes abnegados educadores, muita fé, esperança e perspectiva de dias melhores para o desenvolvimento de suas atividades.

Dia da Educação: veja quais são os principais desafios do Brasil na área

Apesar de o País ter aumentado o investimento em Educação e de a presidente Dilma Rousseff ter anunciado o slogan “Brasil, Pátria Educadora” como mote de seu segundo mandato, ainda são muitos os desafios que temos de enfrentar nessa área.

Os resultados das avaliações nacionais mostram que as crianças saem da escola sabendo muito menos do que deveriam; nos exames internacionais, o desempenho dos alunos brasileiros é bem aquém do apresentado pelos estudantes de países desenvolvidos.

Veja aqui quais são os principais problemas da educação no Brasil >>>

E se seu salário fosse multiplicado por três?

jeanPor Amorim Sangue Novo

Pois é, se seu salário fosse multiplicado por três seria ótimo, mas o que foi multiplicado por três foi o fundo partidário.

Fundo partidário é o um valor que o governo repassa para os partidos políticos desenvolverem suas atividades e este “nosso rico dinheirinho” ao invés de, como o seu salário, engordar seus bolsos, vai ser “tirado” do seu bolso, com a aprovação dos deputados federais, justamente quando o Executivo pensa em reduzir gastos.

Jean Wyllys diz por que votou contra aumento do fundo partidário

“Na votação do Projeto Orçamentário 2015, a bancada do PSOL 50 – Partido Socialismo e Liberdade foi a única a votar contra a escandalosa triplicação do fundo partidário. E não porque não precisemos dele! Diferentemente de todos os outros partidos com representação no Congresso (sim, todos), o PSOL não recebeu na campanha (de fato, nunca recebe) dinheiro das empreiteiras, e nem de bancos, multinacionais, etc.

Como vocês sabem, porque acompanharam a minha campanha, todos os recursos usados para ela provinham do fundo partidário e das pequenas (mas, felizmente, muitas) doações de cidadãos e cidadãs (ou seja, de muitos de vocês!) realizadas pela internet, com cartão de crédito. É pouco? É, por isso nossa campanha é sempre tão pobre, mas nós sabemos que empresa não doa, empresa investe — e depois sempre quer algo em troca!

Por isso, também, o PSOL defende uma reforma política radicalmente oposta à defendida por House of Cunha: defendemos o fim do financiamento empresarial de campanha. E defendemos porque já praticamos, embora não sejamos obrigados.

Contudo, apesar de não recebermos doações de empresas e, portanto, depender de forma muito mais direta do fundo partidário (para o PSOL, o fundo partidário é a principal fonte de subsistência, necessária para pagar o aluguel da nossa sede, a luz, o telefone, alguns panfletos, e para sustentar as despesas básicas da campanha…

Bem sabemos no Rio de Janeiro, o quanto é difícil sustentar o partido sem ele!), nós votamos contra o aumento desse fundo. Votamos contra porque achamos absurdo que, enquanto são cortados recursos para a educação, a saúde, a segurança, a previdência, as políticas sociais e outras áreas fundamentais para as necessidades do povo, o Congresso triplique os fundos que são repassados aos partidos políticos. Pela mesma razão, votamos contra o aumento dos salários dos parlamentares. Aliás, nessa votação também ficamos sozinhos.

Além de votar contra no Congresso, a bancada do PSOL estudou a possibilidade de enviar um ofício à presidenta Dilma pedindo que ela contingencie os recursos para o Fundo Partidário, assegurando, NO MÁXIMO, a correção inflacionária em relação aos R$ 289,56 milhões do ano passado, mas não há dispositivos legais para tal. Se houvesse, pediríamos o apoio de outros líderes partidários, embora já saibamos que seria difícil de conseguir. Somos apenas quatro deputados federais, mas cumprimos o nosso papel.”

Por Jean Wyllys, no facebook

Saiba mais sobre o Fundo Partidário clicando aqui >>>

 

 

Conheça as atribuições de um deputado federal

irmão lázaroA Câmara dos Deputados é integrada por 513 parlamentares, e é por isso que existem tantos candidatos na disputa pelo cargo. Eles representam a população brasileira proporcionalmente, ou seja, Estados mais populosos, como São Paulo e Minas, têm mais deputados do que regiões com menos habitantes.

Os deputados, além de cumprir as funções já citadas referentes ao Congresso Nacional, também possuem atividades específicas.

Somente os deputados podem dar início ao processo de impeachment de um presidente (o julgamento e cumprimento do impeachment são feitos pelo Senado).

São eles que determinam como vai funcionar o regimento interno da Câmara dos Deputados, criando as comissões, elegendo a presidência da Casa, etc.

Na imagem ilustrativa Irmão Lázaro/PSC deputado federal pela Bahia